Operação contra ‘gatos’ de água prende cinco em São Sebastião

Uma operação conjunta entre a Polícia Civil do Distrito Federal e a Companhia de Saneamento Ambiental (Caesb) identificou, na tarde desta quarta-feira (17), três pontos de ligações clandestinas de água em São Sebastião. Treze imóveis eram abastecidos de forma irregular. A ação esteve focada em quadras residenciais e em áreas não regularizadas do bairro São Francisco.

Os fiscais flagraram casas sem hidrômetros e “gatos” que distribuíam água para casas vizinhas. “São pontos de furto de água. Além de ser crime, a gente não pode esquecer que eles fomentam a crise hídrica no DF”, sustenta o delegado-chefe da 30ª Delegacia de Polícia, João Guilherme Carvalho. Nesta semana, o racionamento de água em Brasília completou um ano.

Se comprovada a prática de desvio de recursos hídricos, a pena prevista é de um a quatro anos de prisão, além de uma multa que pode variar de R$ 1,6 mil a R$ 72 mil. Até as 15h desta quarta, cinco pessoas haviam sido detidas e levadas para a delegacia da região para prestar depoimento.

O empresário Rolando Souza é vizinho de uma das casas autuadas. Ele afirma que há na região famílias que estão há mais de duas semanas sem água.

O morador afirma ter solicitado desde dezembro a ligação regular do abastecimento na Caesb, mas acabou redirecionado à administração de São Sebastião. “Disseram que precisávamos de um abaixo-assinado para colocar água aqui. Tem gente há mais de 20 dias sem uma gota d’água em casa”, reclama.

Fiscalização via satélite
A inspeção das áreas irregulares é feita via satélite, por meio de denúncias e por constatação de técnicos da companhia. Segundo a Caesb, 10 pontos de consumo não autorizados são encontrados, em média, por dia no DF. De janeiro a novembro de 2017, foram identificadas 1,8 mil ligações indevidas.

O gerente de fiscalização da companhia, Geraldo Donizetti, afirma que o prejuízo estimado aos cofres públicos é de cerca de R$ 43,5 milhões ao ano — em 2017, a Caesb testemunhou queda de 5% na receita. “Em tempos de crise hídrica, a gente estima que cerca de 727 milhões de litros de água são furtados por ano em ligações clandestinas”, afirma.

O morador de Brasília pode denunciar ligações clandestinas de água por meio do telefone 115 e do site da companhia. Também é possível buscar a delegacia da região.

FONTE: G1/DF


Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *