Justiça mantém condenação de internauta a favor de Fraga

Antonio Augusto / Câmara dos Deputados

A Justiça do Distrito Federal manteve a condenação de uma mulher que fez posts considerado ofensivo contra o deputado federal Alberto Fraga (DEM-DF). Ela tinha já tinha sido condenada a pagar R$ 10 mil em 1ª primeira instância, mas recorreu em seguida. A decisão foi sustentada pela 7ª Turma Cível.

Fraga entrou com a ação por entender que a internauta “extrapolou os limites do direito fundamental à liberdade de expressão” ao dizer que o deputado precisaria ser preso por feminicídio e perder o mandato. A publicação ocorreu em pelo menos duas redes sociais.

O G1 não conseguiu contatar o deputado e a defesa da mulher. No processo, ela argumentou que usou da liberdade de expressão e de imprensa ao criticar uma fala do autor em que ele teria ofendido as mulheres.

Para a desembargadora Leila Arlanch, relatora do caso em 2ª instância, a figura pública está sujeita a críticas, sobretudo quem ocupa função legislativa. No entanto, a magistrada entendeu que houve exagero por parte da internauta.

“A requerida imputou ao autor, sem embasamento, a prática de feminicídio, que é um crime de ódio baseado no gênero, amoldando-se a abuso de direito, tendo caracterizado o dano”, justificou.

Anteriormente, o juiz Luciano dos Santos Mendes, da 17ª Vara Cível, também tinha criticado a forma com que a internauta descreveu o deputado.

“Em relação à opinião por ela externada, relativa à incitação à violência pelo autor, necessário observar que há uma linha muito tênue entre o direito à liberdade de expressão e o discurso de ódio.”No entanto, no presente caso, resta clara a intenção da parte ré em atingir o autor, principalmente em razão de questões políticas, já que defendem partidos políticos com idéias bastante diferentes.”

Fonte: G1


Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *